12 de fev de 2012

Esperança...



Há esperança,
minha doce lembrança,
da minha eterna infância.


Na infância,
havia esperança,
esperança essa que só tem uma criança.


De achar que tudo é bonança,
que a vida é infância,
mais ela é infâmia.


Hoje esperança de criança,
quero ter,
mais não posso,
afinal no plural,
os mundos são negocio.


Só guardo na lembrança,
minha doce infância,
que com mente de criança,
eu achava que seria tudo uma eterna infância.

Nenhum comentário:

Postar um comentário